Participei de um pedacinho de um debate no Twitter ontem, propondo alguns pensamentos sobre as características definidoras essenciais do modelo de igreja que denomino igrejas de atraçāo, seguidas de algumas características alternativas das igrejas centradas no evangelho. Espero que tragam mais clareza à análise das questões relevantes na eclesiologia evangélica. Estes são momentos importantes para clarificar esta situaçāo.

Características deploráveis das igrejas de atraçāo:

1) Sermões baseados pelo que Christian Smith chama de “deísmo terapêutico moralista”

2) Ideologia funcional de pragmatismo. (Não “o que é bíblico?”, mas “o que funciona?”)

3) Minimizaçāo do evangelho ou rebaixamento do evangelho a um pano de fundo ou como pensamento posterior

4) Equacioar tamanho grande com sucesso, ao contrário de vários exemplos bíblicos

5) Tratar a membresia exclusiva ou principalmente, como uma forma de aumentar o número de voluntários

6) Ampla porta de saída aberta para aqueles que necessitam ser discipulados além da conversão

7) Redução da Bíblia a uma fonte de boas citações

8) Reivindicação de relevância e inovação ao mesmo tempo isolando-se em relação a desafios críticos às premissas.

Características peculiares das igrejas centradas no evangelho:

1) Confiança não apenas na autoridade da Bíblia, mas também na suficiência da Bíblia

2) Sermões que enfatizam “Está consumado!” em vez de “Comecem a trabalhar!”. Jesus é a estrela, não um pequeno jogador

3) Membresia com significado, que abrange o discipulado da vida inteira, o cuidado pastoral e a disciplina eclesiástica

4) Ênfase nos membros como missionários e destaque maior de “vá e fale” do que de “venha e veja”

5) Uma confiança total no evangelho para ser o poder de transformação que nenhuma quantidade de inspiração poderia ser

6) Observaçāo regular e frequente da Ceia do Senhor

7) Confiança na força do evangelho para aplicação ao crente, para a justificação e a santificação

8) Igreja como comunidade de santos, não meramente cultos de adoração ou centro de recursos para programas

(Escreví em maior detalhe sobre tudo isso e muito mais, e também apresentei construtivamente alguns corretivos, no livro The Prodigal Church [A Igreja Pródiga])


Traduzido por Raul Flores